segunda-feira, 16 de março de 2015

A Biblioteca de Alexandria: Final

     Apresentamos a última parte do resumo do livro Biblioteca de Alexandria: as histórias da maior biblioteca da Antiguidade, de Derek Adie Flower.

     O livro está disponível no acervo da Biblioteca da EACH em: 027.00932 F644b 2.ed.


Parte 4: O fim da Biblioteca de Alexandria e a nova Biblioteca

    Ptolomeu IV Filopátor subiu ao trono em 222 a.c. Ele e seus subsequentes herdeiros não tinham o brilhantismo intelectual de seus antepassados, sendo que Ptolomeu VIII Evergeta sentia aversão por intelectuais, chegando ao ponto de persegui-los.

    A derrocada a Biblioteca aconteceu durante o grande incêndio de 48 a.C., decorrente das revoltas egípcias contra o domínio de Roma. Para conter os revoltosos, Júlio César ordenou que se ateasse fogo aos navios. A Biblioteca e o Museu, próximos ao porto, arderam e foram destruídos. Com o fim da Biblioteca principal, a Biblioteca Filha Serapeum passou a ser o centro da cultura de Alexandria. Entretanto, antes da batalha e destruição do porto de Alexandria, César havia reconduzido Cleopatra ao trono. Ela era uma mulher inteligente, patrocinadora das artes, e manteve viva e pulsante a vida cultural em Alexandria. Com a morte de Júlio César, Cleopatra voltou-se para Marco Antônio, de quem ganhou a biblioteca de Pérgamo. Mantendo-se cerne da cultura, Alexandria foi por mais 3 séculos importante centro do saber, mas infelizmente, também palco de batalhas sangrentas e perseguições decorrentes do domínio romano.

    A expansão da cristandade não afetou de maneira imediata a cultura alexandrina, entretanto, com o passar o tempo, correntes do pensamento cristão começaram a apresentar divergências e lutar pelo poder. Em 391 d.C. o fanático bispo Teófilo, Patriarca de Alexandria, insuflando os cristãos contra o paganismo, promoveu a destruição da Biblioteca Filha Serapeum determinando assim, o término de uma era.

Notas finais:

    A Nova Biblioteca de Alexandria foi instituída em 1 de março de 2001 pelo Presidente da República do Egito Hosni Mubarak (Law No. 1 of 2001 Concerning the Library of Alexandria).

    Sua missão é oferecer um centro de excelência na produção e difusão do saber local, e de diálogo e intercâmbio entre culturas. Compreende uma biblioteca geral, seis bibliotecas especializadas, arquivo interativo, quatro museus, planetário, exploratorium científico para crianças, exposições permanentes, galerias, 13 centros de pesquisa acadêmica, e dois avançados sistemas multimídia: Culturama, que apresenta aos visitantes 5.000 anos de história e cultura do Egito e o sistema VISTA para observação 3D de fenômenos naturais ou artificiais.

    Anualmente, 1,5 milhões de pessoas visitam a Biblioteca de Alexandria.

Consulte:
http://www.bibalex.org/Home/Default_EN.aspx


 Analúcia Recine




Nenhum comentário:

Postar um comentário